7 passos para elaborar um plano de carreira





Com tantos profissionais se graduando, o mercado de trabalho se transformou em um campo de batalha, onde só sobrevive quem tem as melhores armas para vencer a concorrência.

E, para chegar aonde deseja, as pessoas precisam planejar o futuro. Afinal, contar com a sorte e com a ajuda do destino pode trazer, na maioria dos casos, um emprego exaustivo e mal remunerado.


Entenda sua personalidade e preferências


A melhor maneira de chegar onde você deseja é saber exatamente o que quer. Para quem ainda nem entrou na universidade é quase impossível prever o futuro ou saber o que se quer profissionalmente. E a falta de experiência pode ser uma motivadora de decisões erradas.


Mas a boa notícia é que um plano de carreira não é algo fixo, que nunca muda. Pelo contrário, ele precisa ser adaptado ao longo da sua vida, de acordo com as suas experiências, formações e expectativas.


A primeira etapa para elaborar esse plano de carreira é definir o que você gostaria de fazer, o tipo de trabalho que te interessa, o nível hierárquico, o ambiente de trabalho que mais te agrada e as pessoas que gostaria de se relacionar profissionalmente. Isso pode te ajudar até a escolher o melhor curso de graduação, caso ainda não tenha ingressado em uma.


Criar um cenário com possibilidades para o futuro é uma forma de prever possíveis percalços e começar a investir em qualificação desde cedo. Muitos profissionais não conseguem se desenvolver na carreira porque começam a se preocupar com a profissão quando já concluíram a graduação.


Para te ajudar nessa etapa, responda a uma série de perguntas como:

  • Quais são os meus pontos fracos e fortes?

  • Minha personalidade é mais introvertida ou extrovertida?

  • Possuo defeitos que podem interferir na minha vida profissional?

  • Que tipos de atividades quero desempenhar?

  • Prefiro receber ordens ou gerir o meu próprio ritmo de trabalho?

  • Em que ambiente quero trabalhar?

  • Preciso aumentar meu networking?

  • Como quero conciliar minha vida pessoal com a profissional?

  • Prefiro me dedicar mais a uma família ou a minha carreira?

  • Como imagino a minha vida financeira no futuro?

  • Onde quero chegar?

É essencial não basear as suas respostas apenas em suposições. Invista um tempo para fazer uma pesquisa de mercado, leia revistas especializadas, acompanhe sites e blogs que falam sobre carreira e, se possível, converse com profissionais da área que já passaram pela fase que você está agora.


Desenvolva as suas capacidades


Você já deve ter percebido como muitas pessoas conseguem as melhores oportunidades — por terem feito um intercâmbio ou um curso de capacitação —, enquanto outras não tem a chance de mostrar o que sabem, mesmo com talento e vontade de fazer o melhor.


Depois de definir as suas metas e objetivos, e reconhecer os seus pontos fortes e fracos, é hora de desenvolver as suas capacidades. Pessoas qualificadas possuem mais chances de chegar onde querem e sobreviverem diante das adversidades do mercado de trabalho.


Muitas vezes, estudantes e profissionais se conformam com a competição e as dificuldades e não empenham nenhum esforço para crescer. E a partir daí começam a se escorar na crise econômica, na falta de dinheiro ou nos problemas políticos para justificar os sonhos que não realizaram.


Há ainda os que escolhem profissões ou áreas que não possuem tantas habilidades e acabam se deparando com situações que dificultam a aprovação em um processo seletivo ou o recebimento de uma promoção. Um plano de carreira é uma forma de tirar ideias do papel e começar a correr atrás do que se quer.


Ao listar os seus pontos fortes e fracos, analise como eles podem afetar a sua vida profissional. Por exemplo: a maioria das empresas, startups e programas de trainee exigem que o seu futuro profissional tenham nível avançado em um outro idioma, como o inglês ou espanhol.


Se você não possui, pode começar a investir em um curso ou formação on-line, oferecido gratuitamente por muitos sites. Com dedicação, você pode conseguir a fluência em menos de 2 anos.


O mais importante é não tratar os seus pontos fracos como empecilhos para que você chegue onde deseja e negligenciar os seus pontos fortes. Boa comunicação, facilidade em aprender, inteligência emocional, proatividade, espírito de liderança e capacidade de trabalhar em grupo são alguns deles. Invista em atividades e desafios que te ajudem a desenvolver ainda mais o que você já tem de bom.


Confira, a seguir, algumas das capacidades que você pode desenvolver para se tornar um profissional mais qualificado para o mercado:

  • comunicação e leitura em outras línguas;

  • domínio em informática;

  • boa redação;

  • conhecimento em SEO e SMO;

  • noções de edição de imagens e vídeos;

  • e habilidades em mídias sociais.

Mas, a depender da área em que você deseja atuar, é possível aprender ainda mais por meio de cursos e especializações. Falaremos um pouco mais sobre elas nos tópicos seguintes.


Defina ações a curto e longo prazo


Não adianta identificar as suas habilidades ou o que te falta profissionalmente e não fazer nada para desenvolver esses talentos. O plano de carreira não pode ficar baseado apenas no mundo das ideias, e é preciso colocá-lo em prática.


Ele pode ter diferentes durações, de acordo com o que o profissional acha que é melhor para si. Pode ser um a longo prazo — para quem já possui uma certa experiência, tem estabilidade e já sabe exatamente onde quer chegar — ou algo a curto prazo, com objetivos mais tangíveis — ideal para pessoas que estão em processo de mudança de carreira, que nunca fizeram um planejamento ou que ainda nem começaram a trabalhar.


É nessa etapa que você definirá quais devem ser as suas ações para conseguir o que quer. Mas você deve estar se perguntando: como fazer isso?

Vamos utilizar como exemplo um estudante universitário que se formará em menos de 2 anos, mas tem um currículo sem qualquer experiência profissional. Ele sabe que será muito difícil ingressar no mercado dessa forma e que ainda não colocou em prática o que tem aprendido na graduação. O que ele deve fazer agora?


A melhor resposta para essa pergunta seria “conseguir um estágio”. Nesse tipo de trabalho, o estudante poderá descobrir se é aquilo que realmente deseja fazer, o que é necessário para se tornar um profissional melhor e, de quebra, ganhará uma experiência importante para o currículo quando chegar a hora da formatura.


Essa ação a curto prazo pode se transformar em algo benéfico também a longo prazo, afinal de contas, não são raros os casos de presidentes e diretores que começam em uma empresa como estagiários.


Você deve sempre pensar em qual será o andamento das suas ações ou pode cair na arm