Liderança pós-Covid: 3 características que os líderes devem desenvolver para se destacarem


Como se tornar um líder melhor? O que a pandemia trouxe de lição? Consultor faz uma

análise e traz reflexões sobre quem será o líder pós-Covid

“A Covid-19 afetou a liderança ao primeiro postergar muitos planos, ao mesmo tempo que acelerou outros, fez com que novas nomeações fossem feitas, colocou várias organizações por testes de stress, e finalmente forçou-as a planejar a partir de sua base.

Muito lideres se sentem hoje mais eficientes que antes, pois conseguem fazer um numero maior de reuniões virtuais, sem desperdiçar tempo no deslocamento, e além disso as pessoas tendem a ser mais pontuais nesse tipo de reunião que anteriormente nas presenciais.

Várias empresas reportam que o Covid tem sido o principal agente de mudança na transformação digital das empresas, já que de alguma forma, essas companhias seguem funcionando mesmo maior parte das pessoas trabalhando de forma remota.

Fundamentos dos líderes

Líderes altamente eficazes expandem a si próprios e a suas organizações além do que já dominam. Mas somente líderes com apetite de continuar aprendendo a expandir suas capacidades acompanharão as demandas em evolução, ou seja, o líder curioso é que se sobressairá.

Os fundamentos emergentes no líder em meio à pandemia e que são positivos são:

  • Capacidade de autorreflexão: Os líderes devem refletir sobre sua eficácia com objetividade e disciplina;

  • Capacidades relacionais: Os líderes devem construir relacionamentos para fornecer energia à organização;

  • Capacidades adaptativas: Líderes clarividentes e adaptáveis, orientam a organização e orquestram soluções inovadoras para problemas complexos.

Autorreflexão

A capacidade de autorreflexão está ligada a identidade, a saber identificar valores e motivações que conduzem seu comportamento, incluindo seus medos. É preciso explorar novas fontes de energia para se conectar com você mesmo, compreender o impacto comportamental na equipe e, por extensão, na organização.

Nunca foi tão importante para os líderes se basearem em um forte senso de identidade e propósito de liderança com um compromisso firme com o crescimento e o aprendizado contínuos.

Isso significa assumir a função sabendo quem você é como líder e, ao mesmo tempo, permanecer aberto ao que você não sabe – e permanecer disposto a explorar e evoluir ao longo de sua gestão conforme o trabalho, a função e o mundo exigem.

Em nossa experiência, os líderes mais responsáveis ​​e bem-sucedidos continuam avançando para uma maior autocompreensão e sabedoria. Gradualmente, eles se tornam mais e mais confortáveis ​​em sua pele.

Habilidades emocionais

Em relação ao relacional, o líder deve rejeitar genuína e proativamente a tentação de atuar de forma isolada.

É preciso ouvir para aprender, não para consertar – ouvir com curiosidade e humildade com objetivo de “sentir”, desenvolver uma relação sacrossanta com a equipe e o Conselho, ver as partes interessadas como portas de entrada para novas possibilidades, em vez de partes para gerenciar, estar disposto a buscar aconselhamento especializado para testar seu próprio pensamento e tomar decisões informadas e construir novas parcerias com “jogadores impensáveis” anteriormente e mostrar solidariedade com grupos de parceiros de negócios.

Os líderes precisam ser capazes de depender de uma rede organizacional mais ampla e interconectada de partes interessadas para cumprir seus objetivos estendidos. Os líderes de amanhã devem ser mais catalíticos e colaborativos do que ontem.

As características mais importantes são:

O toque humano

Para envolver a organização de maneira eficaz, os líderes precisam ser mais humanos – mais identificáveis e acessíveis. Eles precisam ser vistos como reais e vulneráveis. Isso estabelece a base de credibilidade e autenticidade sobre a qual um grande trabalho coletivo acontece;

Um compromisso continuo com ouvir e aprender

A arte do engajamento começa com líderes que são curiosos, que amam as ideias e são motivados a transformá-las em impacto;

Maior comunicação

Para envolver melhor os outros, os líderes precisam valorizar a comunicação; espera-se que sejam mais visíveis e conectados do que no passado. Uma boa comunicação da liderança tem o poder de redirecionar a energia e a confiança das pessoas.

Adaptação:

Finalmente em relação as capacidades adaptativas, é preciso primeiro redefinir desempenho ao gerenciar e trabalhar com paradoxos – encontrando o equilíbrio certo e a conexão entre o longo e o curto prazo, lidando com realidades aparentemente conflitantes e aproveitando os pontos fortes institucionais para energizar e expandir a organização para seguir em frente.

Vale mostrar compaixão pelo “que será perdido”, honrando o passado e traçando o horizonte, desenvolvendo uma visão inspiradora para elevar a ambição coletiva, ser corajoso e determinado a alcançar novas alturas, mantendo a mente aberta sobre as melhores maneiras de alcançar a meta e criar uma cultura que possa navegar pela complexidade. A resiliência sem dúvida se mostra cada vez mais relevante quanto mais a pandemia se mostra uma batalha de longa duração. Mas se a capacidade de sair do outro lado é importante, mais ainda é a curiosidade de se questionar sempre, de não assumir nada como definitivo, de se mostrar aberto a aprender o que não sabe sem ter medo de mostrar isso aos outros, e quem sabe construindo a resposta juntos. A resiliência sem duvida é um componente importante do líder determinado.

O caminho a seguir é em frente. Isso significa abordar diretamente situações conflitantes repletas de contradições aparentes – conhecidas como polaridades – e avançar com novos planos que melhor os reconciliem e alavanquem.

Frequentemente tratadas como tensões inerentes que precisam ser resolvidas ou de alguma forma comprometidas, as polaridades são, na verdade, partes interdependentes de forças positivas que não podem existir uma sem a outra. Normalmente, os líderes tropeçam ao tentar “resolver” polaridades ou comprometer uma delas em detrimento de ambos e da organização em geral.

Em vez disso, elas devem ser tratadas como um sistema dinâmico, como uma onda. A “resposta” é parte de uma oscilação natural e contínua entre dois polos.

Portanto, o que antes parecia uma decisão que exigia uma seleção ou / ou, agora aparece como um dilema a ser alavancado por meio do pensamento e do discernimento. Entre ser visto como mais eficiente ou resiliente, prefira ser curioso e conviver bem com ambas as perspectiva”.

Fonte:https://www.infomoney.com.br/carreira/lideranca-pos-covid-3-caracteristicas-que-os-lideres-devem-desenvolver-para-se-destacarem-no-mercado/


16 visualizações0 comentário