Qual o impacto da inteligência emocional no trabalho



Ter autocontrole, empatia e conseguir enfrentar situações de pressão sem se abater são essenciais para quem quer crescer na carreira. Contudo, essas habilidades não são ensinadas na escola. É preciso desenvolver a inteligência emocional — competência cada vez mais valorizada no ambiente corporativo.


É claro que os conhecimentos técnicos e boas experiências são fatores que vão fazer o profissional se destacar no mercado de trabalho, mas só isso não basta! Ter um bom relacionamento com a equipe, saber lidar com feedbacks negativos e até com momentos de crise pode ser decisivo, por exemplo, para a conquista de um cargo mais alto.


Quer entender melhor qual é o impacto da inteligência emocional no trabalho? Confira:


Melhora os relacionamentos interpessoais


Para que uma empresa alcance bons resultados, é imprescindível ter harmonia no clima organizacional. Todavia, sabemos como os relacionamentos interpessoais podem ser difíceis no mundo corporativo por conta de disputas de posição, intrigas e outros problemas.


O profissional com inteligência emocional conhece suas reações diante de diferentes circunstâncias, o que permite exercer o autocontrole mesmo nas situações mais delicadas com outros colegas.


Ele desenvolve também a empatia, ou seja, consegue se colocar no lugar do outro, resultando em um convívio saudável na empresa. Além disso, possibilita trabalhar com pessoas de diferentes temperamentos e formações.


Ajuda a ter autoconfiança


A inteligência emocional pode ajudar você a conhecer suas potencialidades, o que permite escolher os melhores caminhos para traçar uma carreira de sucesso. Isso é possível porque você desenvolve a autoconfiança e sabe do que é capaz e até onde pode chegar.


Sabe aquela insegurança em demonstrar para seu superior que quer ser promovido? A inteligência emocional pode justamente trazer confiança para esse momento, já que você saberá listar seus pontos fortes e mostrará como pode fazer a diferença na empresa ocupando um cargo maior.


Traz eficácia no trabalho em grupo


Quem tem inteligência emocional consegue trabalhar muito bem em grupo, já que entende a importância da participação de cada um da equipe para o sucesso de um projeto.


É uma competência que faz com que o profissional esteja aberto para ouvir opiniões divergentes, conseguindo chegar a um consenso com mais facilidade.


Outro ponto importante é que quem usa a inteligência emocional no trabalho sabe como se comunicar com os membros da equipe, conseguindo expor suas ideias de forma clara. Entende também a importância de dar e receber feedbacks — apontando as falhas que podem ser corrigidas para que o negócio consiga bons resultados.


Colabora na tomada de decisões


Saber controlar as emoções — permitindo que você pense de modo estratégico, analise todos os fatores envolvidos e ouça diferentes pontos de vista antes de tomar uma decisão — é fundamental no ambiente corporativo.


É uma maneira de o gestor não agir por impulso, o que poderia comprometer os rumos do negócio.


Permite enxergar as críticas como oportunidades


Por mais que o profissional seja extremamente capacitado para sua função, ele está sujeito a falhas. No entanto, muita gente fica desestabilizada ao receber um feedback negativo de outro colega ou de algum superior.


Já quem sabe utilizar a inteligência emocional no trabalho passa a ver as críticas com outros olhos — entende que se trata de uma oportunidade de aprendizado, ou seja, de algo que é possível de ser melhorado.


E, caso a pessoa não concorde com o feedback recebido, sabe como argumentar, justificando de forma consistente por que o trabalho foi feito daquela maneira.


Facilita a liderança


Quem busca ser um bom líder deve desenvolver a inteligência emocional para saber conduzir melhor os seus colaboradores. Conhecer e gerenciar as próprias emoções e entender o comportamento do outro vai permitir:

  • reconhecer as potencialidades da equipe;

  • reter talentos;

  • ter uma comunicação mais efetiva;

  • delegar tarefas;

  • dar feedbacks construtivos;

  • motivar os colaboradores.


Traz flexibilidade na conduta profissional


Além disso, ter essa habilidade desenvolvida vai permitir, ainda, que o profissional seja flexível, ou seja, esteja disposto a trabalhar com novas tecnologias, produtos ou ainda com pessoas diferentes — sempre buscando dar o seu melhor.


Permite também saber como lidar com imprevistos ou mudanças de rumos em um projeto, por exemplo.


Evita o burnout


A cobrança por resultados, prazos apertados e outras situações estressantes no ambiente de trabalho podem levar à síndrome de burnout — um esgotamento físico e mental que traz sérios problemas de saúde e leva ao afastamento do trabalho.


Ao desenvolver a inteligência emocional, você passa a se conhecer melhor e entender seu comportamento e emoções diante das mais variadas situações. Assim, pode antever cenários e até se afastar de momentos de maior estresse, que poderiam fazer você perder o controle.


Além disso, essa habilidade permite que você não tome decisões por impulso, saiba como trabalhar em meio à tensão sem se abater e consiga ver o lado positivo das situações — mesmo quando a conjuntura é bastante desfavorável.


Com a inteligência emocional, você consegue também separar vida pessoal e profissional, ou seja, não leva os problemas do escritório para casa. Pelo contrário: aproveita o descanso para relaxar a mente e se preparar para o próximo dia de trabalho.