A promoção não chega nunca? Veja o que fazer.

June 23, 2017

Levantamento mostra que 60% dos profissionais de áreas técnicas e suporte à gestão estão parados no mesmo cargo há um ano. O que fazer se você é um deles?

 

São Paulo — Quando não significa desemprego, a crise é sinônimo de estagnação. Quem sobreviveu às ondas de demissões precisou aceitar tarefas adicionais, horas extras e pressão crescente por resultados — tudo isso sem se subir um milímetro no organograma da companhia.

Essa realidade aparece nitidamente em uma pesquisa recente da consultoria Page Personnel, segundo a qual 6 em cada 10 profissionais de áreas técnicas e de suporte à gestão não recebem uma promoção há mais de um ano no Brasil.

 

 

O levantamento foi feito entre fevereiro e março de 2017 com 283 entrevistados. A amostra inclui profissionais de áreas como engenharia, finanças, vendas e marketing, logística, operações, recursos humanos, TI, secretariado e varejo.

“O custo fixo crescente, associado à queda na receita, faz com que as empresas cortem funcionários e raramente ofereçam aumentos salariais para os que ficam”, explica Ricardo Haag, diretor da Page Personnel.

Dos quase 60% de profissionais parados no mesmo cargo há um ano, 22,3% também não foram promovidos no ano anterior. Já 15,2% não foram alçados a uma nova posição nos últimos 12 meses, mas tinham recebido a recompensa há dois anos.

Como reagir à estagnação?

A sensação de imobilidade gera desânimo, cinismo e propensão à queixa — reações compreensíveis, mas venenosas para a carreira a curto, médio e longo prazo.

Segundo Haag, os poucos profissionais que conquistam promoções em meio à crise são justamente aqueles que vão na contramão dessa tendência: eles demonstram otimismo, disponibilidade e lealdade apesar da escassez de recompensas.

Agir dessa forma não é garantia de que você subirá no organograma, mas é uma condição essencial para que isso eventualmente aconteça.

“O fator comportamental, sem dúvida, é o mais decisivo para a ocorrência de uma promoção em tempos tão difíceis”, explica. “Quem assume uma postura negativa tende a ser demitido, e quem incorpora uma atitude positiva acaba sendo reconhecido, ainda que não imediatamente”.

Entre aqueles que ascenderam na carreira apesar da crise, 40,9% disseram que o motivo da recompensa foi o fato de terem atingido resultados e superado metas. Uma parcela de 17,3% assumiu novas responsabilidades, enquanto 7,7% investiram em qualificação e 3,6% apostaram em relacionamento com os líderes. A mistura desses fatores foi a resposta de 30,5%.

O fato é recente para cerca de 40% dos promovidos: 26,1% receberam a boa notícia há um ano e 14,5%, há seis meses. De acordo com Haag, a recompensa pode tardar, mas dificilmente falha. “A balança provavelmente vai se equilibrar no curto prazo”, resume. “Assim que a situação melhorar um pouco para a empresa, ela vai correr atrás desses atrasos e promover quem merece”, diz.

Alternativas

Então a paciência é a melhor (ou única) opção para quem está parado há muito tempo nos quadros da empresa?

A resposta é não. Em alguns casos, a busca por movimento é melhor do que a espera. Segundo a pesquisa da Page Personnel, 53,7% dos profissionais estagnados na mesma função pretendem buscar uma nova vaga nos próximos três meses. A caça por uma nova oportunidade será feita entre seis e nove meses por 16%, ou no máximo daqui a um ano por 19,7%.

Os satisfeitos são poucos: apenas 10,6% disseram que não pretendem mudar de empregador.

Os principais fatores para dizer sim a um novo emprego são um salário fixo mensal mais atrativo (29%), programas de aceleração de crescimento (23%), programas de recompensa (18%), investimento em conhecimento (15,2%) e bônus e participação nos lucros (14,8%).

Segundo Haag, a melhor forma de decidir se você deve permanecer no seu  emprego ou sair em busca de uma nova oportunidade é chamar o seu gestor para uma conversa franca sobre o futuro.

“Hoje cada vez mais empresas abrem espaços de diálogo para falar sobre carreira”, explica. “Aproveite esse canal, fale sobre a ausência de promoção e pergunte: ‘Estou devendo algum tipo de entrega para a empresa? Se sim, o que posso fazer para melhorar? Se não, que expectativas posso ter sobre minha trajetória aqui dentro?’”.

A decisão é complexa e deve ser avaliada caso a caso. De qualquer forma, diz Haag, é importante considerar fatores além da remuneração imediata, caso você se decida por abandonar o empregador atual. “Uma promoção ou aumento salarial podem trazer prazer, mas não felicidade”, afirma ele. “O mais importante é tomar decisões estratégicas para conseguir um trabalho com sentido e propósito para você”.

 

http://exame.abril.com.br/carreira/a-promocao-nao-chega-nunca-veja-o-que-fazer/

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 4, 2019

November 4, 2019

November 4, 2019

November 4, 2019

November 1, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga 
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Basic Square

Apoiamos Profissionais Táticos e Executivos com coaching nas fases de crescimento, transição e mudança de carreira, fornecendo as ferramentas metodológicas, comportamentais e culturais para maximizar extremamente as possibilidades de sucesso.

IBRA Outplacement. Todos os Direitos Reservados.

Contatos

Telefone Geral: (31) 3018-2333

Whatsapp Business      (31) 3018-2333