No mercado de trabalho, o futuro já chegou.

October 9, 2018

 

Não há como negar que o ambiente corporativo segue em constante transformação, muito como reflexo dos avanços tecnológicos. Em diferentes áreas das organizações, a tecnologia tem se instalado nos processos e nas rotinas para garantir mais produtividade, assertividade nos resultados e a liberação de tempo para que os profissionais foquem em ações estratégicas, no lugar das operacionais.

 

Recentemente, o World Economic Forum lançou o estudo “The Future of Jobs Report 2018”, que, entre outras questões, apresenta uma reflexão importante envolvendo tecnologia, empregos e habilidades. De acordo com conclusões do relatório, “novas tecnologias podem orientar o crescimento dos negócios, a criação de empregos e a demanda por habilidades específicas, mas também pode impulsionar grandes transformações quando certas atividades tornam-se obsoletas ou são automatizadas.

 

O gap de qualificação – tanto entre os trabalhadores quanto entre os líderes – pode acelerar as tendências para automação em alguns casos, mas também pode criar barreiras à adoção de novas tecnologias e, portanto, ao crescimento do negócio”.

 

Ao fazer um recorte sobre o cenário no Brasil, o estudo do World Economic Forum revela que as cinco tecnologias mais incorporadas ao ambiente corporativo têm sido análise de big data (opinião de 92% dos respondentes); APP e web (82%); machine learning (79%); internet das coisas (79%) e realidade aumentada e virtual (70%). Porém, aos interessados em se manter ou ingressar no mercado, é preciso entender que não só de conhecimento técnico se formam as organizações.

 

Como venho observando há algum tempo – e foi confirmado pelo estudo –, as habilidades comportamentais da equipe estão sendo muito valorizadas pelos empregadores, com destaque para resiliência, tolerância ao estresse, flexibilidade, aprendizagem ativa, liderança e influência, além de pensamento analítico, criativo, inovador e crítico e capacidade para resolução de problemas complexos. A velocidade com a que a tecnologia transforma o ambiente de trabalho exige a necessidade de reunir competências que permitam a maior adaptação às mudanças.

 

A verdade é que, independentemente do nível de influência que a tecnologia alcance nos negócios de uma organização, as pessoas e suas competências continuam a ser essenciais para fazer a roda girar. Ainda que exista mecanização e robotização das ações, o elemento humano continua a ser extremamente relevante para tomar decisões estratégicas, desempenhar atividades de relacionamento, criar e motivar equipes.

‘Tecnologia é parte e uma nova era que veio para ficar’


Aos profissionais, minha recomendação é: entendam que a tecnologia faz parte de uma nova era que veio para ficar e não há chances de retrocesso. Sempre foi assim, mas agora o ritmo é mais intenso. Inicie o processo de adaptação buscando formas de oferecer um serviço mais consultivo e estratégico ao empregador, mostrando que está apto a sair do operacional. Esforce-se para entender os benefícios do novo momento e se adequar antes de resistir ou temer perder o emprego.

 

Se você ocupa um cargo de gestão, atente-se à missão de manter o time engajado neste momento de transformação. A tarefa não é fácil, mas pode ser mais possível se você se dispuser a ouvir atentamente as preocupações dos funcionários, souber explicar ao grupo os impactos e benefícios da mudança, incentivar o time a manter ou desenvolver as habilidades relevantes e, por meio de treinamentos e reuniões, fornecer suporte a esse momento.

 

Às equipes de recrutamento das organizações, a sugestão é que, diante de demandas pontuais, avaliem a possibilidade de contratar profissionais temporários com habilidades relevantes para as novas tecnologias. Quase 75% dos empregadores entrevistados pelo World Economic Forum indicaram a alternativa como solução para suprir as necessidades de conhecimentos específicos.

 

Trata-se de um movimento já consolidado na Europa e nos Estados Unidos e que começa a ser entendido no Brasil como uma ação estratégica para cargos que vão de analistas a diretores. São profissionais que chegam para eliminar a sobrecarga da equipe fixa, sem inflar o quadro de colaboradores permanentes.

 

 

Fonte: 

https://newtrade.com.br/carreira/no-mercado-de-trabalho-o-futuro-ja-chegou/

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 4, 2019

November 4, 2019

November 4, 2019

November 4, 2019

November 1, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga 
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Basic Square

Apoiamos Profissionais Táticos e Executivos com coaching nas fases de crescimento, transição e mudança de carreira, fornecendo as ferramentas metodológicas, comportamentais e culturais para maximizar extremamente as possibilidades de sucesso.

IBRA Outplacement. Todos os Direitos Reservados.

Contatos

Telefone Geral: (31) 3018-2333

Whatsapp Business      (31) 3018-2333